16 de janeiro de 2018

Clássicos: Guns N' Roses - "Appetite For Destruction" (1987)

Appetite For Destruction
Guns N' Roses
1987

Lançado em 1987 pelo selo Geffen Records, mais precisamente em 21 de julho daquele ano, "Appetite For Destruction" apresentou ao mundo, de forma arrebatadora, uma das maiores bandas de Hard Rock do planeta, estou falando de Guns N' Roses.


O álbum não foi um sucesso imediato como muitos pensam, os caras ainda precisaram ralar um pouco para explodirem (mas foi bem pouco!), este CD só começou a ser notado após alguns shows da banda abrindo para nomes consagrados como Alice Cooper e Aerosmith, mas depois também!!!

Foram necessários 370 mil dólares de orçamento para a gravação deste álbum, o mesmo foi produzido por um na época novato Mike Clink e foi gravado no estúdio Rumbo Records.

Os vocais altos, rasgados e distorcidos de Axl Rose unidos aos solos alucinados e precisos de Slash foram aclamados pela crítica, "Appetite For Destruction" é considerado um dos mais importantes lançamentos de história do Rock, e isso não é exagero nenhum, foi e ainda é um grande sucesso comércial com mais de 40 milhões de cópias vendidas, é o disco de estréia mais vendido da história da música e o 11º álbum mais vendido nos E.U.A, está também na lista dos 200 álbuns definitivos do Rock And Roll Hall Of Fame além de aparecer no topo da lista dos "10 melhores álbuns de Rock de todos os tempos" da renomada revista Kerrang.

Uma particularidade sobre a capa do disco, nos Estados Unidos a capa original de Robert Williams foi proibida por ser considerada obscena e depreciativa contra as mulheres, em solo americano e mais alguns países também o álbum foi lançado com uma capa alternativa onde surge uma cruz com as figuras "sombrias" dos integrantes da banda.


Curti na plenitude a fase do lançamento deste trabalho, todo adolescente queria ser Axl Rose, era difícl não ver um garoto com um lenço amarrado à testa e mais difícil ainda encontrar um jovem que não soubesse decoradas as letras das clássicas "Welcome To The Jungle", "Paradise City" e "Sweet Child O' Mine", hits que tocam até hoje, mais de 30 anos após seus lançamentos.

A banda apresentava a seguinte formação na época do álbum:

Axl Rose (vocais e percussão)
Slash (guitarra solo)
Izzy Stradlin (guitarra rítmica e vocais de apoio)
Duff McKagan (baixo e vocal de apoio)
Steven Adler (bateria)

Faixas:

Welcome To The Jungle
It's So Easy
Nightrain
Out Ta Get Me
Mr. Brownstone
Paradise City
My Michelle
Think About You
Sweet Child O' Mine
You're Crazy
Anything Goes
Rocket Queen

(Henrique Linhares)


15 de janeiro de 2018

Resenhas: Krokus - "Big Rocks" (2017)


Krokus
"Big Rocks"
2017
Century Media Records
Hard Rock
Suíça
8,0

É preciso coragem para lançar um álbum só de covers, pois para este tipo de trabalho não existe um meio termo, isto é, ou fica muito bom ou uma verdadeira porcaria, mas algumas bandas já se encontram em um patamar que tudo o que fazem sempre fica muito bacana, e a banda Krokus é uma delas!

"Big Rocks" está recheado de clássicos, em sua grande maioria dos anos 80, o álbum é uma viagem no tempo que chega a ser viciante, é bem verdade que todas as versões são basicamente idênticas as originais, mas e daí? quem ousaria estragar "Whole Lotta Love", "The House Of The Rising Sun" ou "My Generation" com experimentos em sua grande maioria de gosto extremamente duvidoso? 

Me arrisco a dizer que especificamente no caso destes senhores realmente não seria preciso "inventar" novas versões, pois sempre que os ouço, na verdade sempre que ouço Marc Storace, fecho meus olhos e imagino o bom e velho Bon Scott na minha frente soltando a voz. Duvido que nunca tenham imaginado como soaria "Tie Your Mother Down", "Rockin' In The Free World" ou "Jumpin' Jack Flash" com Scott e seus berros!

Todas as faixas do CD são muito legais, confesso apenas que estranhei um pouco "Born To Be Wild" soando um pouco diferente, e o vazio deixado em N.I.B. apenas com a parte instrumental, mas esses pequenos detalhes não comprometem o todo, e ainda rola uma releitura própria de "Back Seat Rock'n'Roll, lançada em 80.

Resumindo, "Big Rocks" é um trabalho para quem curte Rock'n'Roll de verdade e não é fresco, como eu havia dito no início desta resenha, não existe meio termo para um albúm só de covers, e este na minha opinião, é incrível!

Faixas:

N.I.B. (Black Sabbath)
Tie Your Mother Down (Queen)
My Generation (The Who)
Wild Thing (The Troggs)
The House Of The Rising Sun (The Animals)
Rockin' In The Free World (Neil Young)
Gimme Some Lovin' (Spencer Davis Group)
Whole Lotta Love (Led Zeppelin)
Summertime Blues (Eddie Cochran)
Born To Be Wild (Steppenwolf)
Quinn The Eskimo (Manfred Mann Band)
Jumpin' Jack Flash (The Rolling Stones)
Back Seat Rock'n'Roll

(Henrique Linhares)


Repassando 2017 (Parte II)

Rolou muita coisa bacana na primeira parte de nossa restrospectiva de 2017, vimos que a banda Deep Purple lançou aquele que "dizem" será seu último trabalho, Liv Jagrell lançou seu primeiro álbum pós Sister Sin, e por aí vai.
Agora vamos curtir mais um pouco do que de melhor aconteceu no ano, como por exemplo Krokus lançando um álbum recheado de covers e Glenn Hughes com o novo trabalho da Black Country Communion ... bom, chega de falar, vamos ver!!!

Iced Earth
Incorruptible
"Black Flag"


White Skull
Will Of The Strong
"Will Of The Strong"


Black Country Communion
BBC IV
"Collide"


Xandria
Theater Of Dimensions
"Call Of Destiny"


Krokus
Big Rocks
"Rockin' In The Free World"


Bloodbound
War Of Dragons
"Battle In The Sky"


Hollywood Undead
Five
"California Dreaming"


Firewind
Immortals
"Ode To Leonidas"


Unleash The Archers
Apex
"Cleanse The Bloodlines"


Kee Of Hearts
The Storm
"The Storm"



Em breve posto a terceira parte, até lá!


12 de janeiro de 2018

Vídeos: Arch Enemy - "The Race" / "The World Is Yours" / "The Eagle Flies Alone"

Com o lançamento do álbum "Will To Power" foram lançados também alguns vídeos ...

"The Race"


 "The World Is Yours"


"The Eagle Flies Alone"


Vejam no link abaixo a nossa resenha do álbum "Will To Power"